Blog

7 dicas para escapar de "golpes clássicos"

Os golpes são velhos, mas ainda fazem novas vítimas. Conheça os mais “populares” e saiba como evitá-los!

13/02/2020

Quando falamos em segurança, automaticamente nos vêm à cabeça os equipamentos de vigilância e monitoramento, portas e portões automatizados, porteiros eletrônicos, alarmes, concertinas e equipes treinadas para agir em momentos de ameaça à integridade física e patrimonial. O que é natural nos dias de hoje, em que a violência urbana é um dos pontos mais delicados da sociedade.

Porém, no dia a dia, cada indivíduo deve aprender “os macetes” para evitar que ocorram episódios desagradáveis e que ameacem a sua segurança. Há casos em que, no exato momento da ação, não podemos contar com um socorro imediato da polícia, entramos em pânico e ficamos paralisados, com aquele sentimento de impotência ao sermos vítimas de golpes.

Para evitar certos perigos pelas ruas, ou mesmo em casa, existem algumas dicas importantes, fornecidas pela própria PM, especialmente quando se trata dos golpes mais aplicados na praça. Antes de qualquer coisa, é imperativo ter em mente que não existem milagres: ninguém é tão bonzinho a ponto de te oferecer vantagens financeiras, assim, do nada! E os estelionatários têm uma lábia que pode te conquistar de primeira. Então, vamos aos toques:

 

1 - SMS Premiado: Se você não se cadastrou em nenhum site, concurso ou promoção e mesmo assim recebeu uma mensagem dizendo que você foi sorteado: ignore! Quem responde a este tipo de contato, acaba colocando créditos no celular de algum meliante ou mesmo depositando dinheiro em sua conta.

 

2 - Falso sequestro: Esse golpe já está ficando velho, mas quem recebe uma ligação dizendo que seu filho ou outro parente foi sequestrado, não consegue raciocinar dado ao nervosismo. A PM aconselha a tentar manter a calma e fazer perguntas ao “sequestrador” que somente o “sequestrado” saberia responder. Pergunte a ele, por exemplo, o nome do cachorro da família ou o time de futebol da pessoa raptada.

 

3 - Bilhete premiado: Outro “clássico” entre os estelionatários – que neste caso, agem em dupla e visando especialmente os mais idosos. O golpista diz que está com um bilhete de loteria premiado, mas que precisa do dinheiro imediatamente. Assim, ele pede à vítima que saque alguma quantia e lhe dá em troca do bilhete – que não está premiado coisa nenhuma.

 

4 - Casa de praia “invisível”: Praticado especialmente no final do ano, quando muitas famílias estão buscando por uma casa de veraneio para passar as festas. O golpista coloca várias fotos na internet oferecendo uma casa por preços bem convidativos e o interessado tem que dar um sinal (a entrada). Depois disso o estelionatário some. O ideal é consultar um corretor de imóveis profissional e credenciado.

 

5 - Envelope vazio: Bem comum acontecer em transações comerciais – compra de veículos, por exemplo. E é bem simples: o golpista faz a compra e faz o pagamento via depósito bancário – mostra até o comprovante do caixa eletrônico! Aí a vítima entrega o produto, mas o envelope do depósito estava vazio. Para não cair nessa, confirme no banco se o valor depositado foi mesmo descontado. E aí, só depois, finalize o negócio.

 

6 – Carro quebrado: Um “primo” do golpe do sequestro: o bandido liga dizendo ser um parente ou amigo que ficou parado na estrada porque o carro enguiçou. Ele diz que está desprevenido e pede um depósito para poder pagar o guincho ou mecânico e para que a vítima ainda coloque créditos no seu celular para acionar o serviço. O procedimento para fugir dessa é o mesmo: faça perguntas que somente seu familiar ou amigo saberia responder.

 

7 – Confirmação de dados: “Aqui é do Banco Tal. Estamos ligando apenas para atualizarmos os seus dados no sistema”. Muita gente já recebeu uma ligação dessa. Do outro lado da linha, o golpista solicita vários dados pessoais da vítima, que depois serão utilizados em transações comerciais. Nunca forneça dados pelo telefone! Em caso de dúvidas, vá pessoalmente à agência bancária e esclareça o acontecido.

 

 

A dica mais importante é se você estiver desconfortável com uma situação ou desconfiando, confie na sua intuição. Todo cuidado é pouco!

 

Compartilhar