Blog

Quer empreender no setor de segurança? Acompanhe as tendências do mercado!

Quem pretende investir nesta área deve, antes de tudo, estudar as necessidades do consumidor e do local onde ele vive

12/03/2020

Apesar da crise (ainda) vivida pelo país, que atingiu inúmeros setores da economia, a área da segurança foi uma das poucas que apresentou crescimento - tanto em vendas de produtos quanto de contratação de profissionais. 

De acordo com a Assosiação Brasileiras das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança - ABESE -, esse cenário deve a dois fatores: ao barateamento dos aparatos e tecnologias e à demanda da sociedade - uma vez que a criminalidade, não só nos grandes centros, mas também no interior, soma números preocupantes. 

E diante de um filão tão interessante e que dificilmente conhecerá a crise, muitos empreendedores têm pensado em investir neste setor. Mas para isso não basta apenas saber a quantas andam os indíces de violência em determinado município ou área. Há que se investir um tempo em estudar o mercado e - mais profundamente - a realidade do lugar.

Um bom start para sondar o seu futuro público consumidor pode ser pesquisar dados em sites como os do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - Fundação Getúlio Vargas). Ali estão centenas de informações relevantes sobre a situação financeira da população, potencial de consumo, densidade demográfica, número de pessoas economicamente ativas. Enfim, pontos que podem influenciar diretamente na escolha de um local para investir em segurança. 

Saber a média de ganhos e consumo de um determinado público já é um começo para definir uem vai consumir seus produtos. Não deixe de levar em conta pontos como ocupação, faixa etária, sexo e escolaridade destes nichos. 

A partir daí você pode conhecer melhor as necessidades das famílias: de que tipo de segurança necessitam e quanto; o que as motiva buscar por um sistema de monitoramento, por exemplo, e quanto podem pagar pelo serviço. 

Conhecendo seu público e, em seguida, sendo seu parceiro na proteção de sua residência ou comércio, seu empreendimento terá potencial para atingir um bairro todo, uma região, a cidade. Para isso é importante que você ouça tanto reclamações quanto observações, dúvidas, sugestões e, claro, um feedback positivo. 

 

De olho na concorrência! 

Não basta saber de seus próprios pontos fortes, mas conhecer o público do concorrente e em que raio de atuação ele chega. É bom sentir qual o potencial da outra empresa, bem como: 

  • a qualidade dos serviços prestados;
  • a localização da empresa;
  • preço dos produtos;
  • formas de pagamento;
  • qualidade do atendimento;
  • o cumprimento de prazos;
  • qualidade do atendimento;
  • o cumprimento dos prazos;
  • qualidade dos produtos;
  • fornecedores; 
  • matérias-primas empregadas;
  • o que mais ele oferece: horários diferenciados, garantias, assistência técnica. 

Por aí percebe-se que não apenas lidar com produtos de qualidade e colaboradores qualificados fazem uma boa empresa, mas correr atrás de informação é uma das ferramentas mais importantes. 

 

Compartilhar